Another Year
Cultura

Resenha do filme Another Year (Um Ano mais ou Mais um Ano)

Resenha do filme “Mais um ano” por Ademir Santos para E você. Se você também curte cinema, literatura, arte, música, moda… e gostaria de compartilhar sua resenha conosco entre em contato 😉

Por Ademir Santos: Ontem fui assistir ao filme “Mais um ano”, dirigido por Mike Leigh, com Jim Bradbent, Lesley Manville, Ruth Sheen entre outros. Filme sensível, um momento de puro cinema…

Como eu não havia planejado ver este filme, na verdade, não havia nem ouvido falar nele, escolhi pela conveniência do horário. Depois da sessão, só por curiosidade, fui ler o comentário apresentado na programação de cinema de um jornal e fiquei entre surpreso e decepcionado, porque jamais ninguém escolheria aquele filme pela apresentação daquele jornal. Em seguida fui ao site do ‘ rio show’ e conferi o comentário do Andre lima. Eis que o cara disse o que eu gostaria de dizer sobre este filme, em especial quando ele diz : “Não é exagero, se alguém quiser imaginar como envelhecer pode ser agradável, é só prestar muita atenção em Gerri e Tom.” Foi exatamente isso que pensei numa cena em que o casal, Gerri e Tom, liam um livro, cada um o seu, semi deitados à noite, na cama.

Pelas quatro estações

Numa das primeiras cenas de “Mais um ano”, a psicóloga Gerri (Ruth Sheen) pergunta para uma paciente (interpretada por Imelda Staunton, participação especialíssima), qual foi o momento mais feliz da sua vida. A paciente pensa e chega à conclusão que não sabe a resposta. “O que você quer dizer com isso?”, ela rebate.
A busca da felicidade, sempre inserida num contexto social, tem sido um dos temas principais do inglês Mike Leigh. “Mais um ano” é mais um elemento que se encaixa com perfeição em sua cinematografia. Talvez um dos mais bem acabados. Curiosamente, o filme foi lançado no Festival de Cannes de 2010 e, apesar das qualidades, chega com muito atraso aos cinemas cariocas.
A história de “Mais um ano” gira em torno, Gerri e Tom (Jim Broadbent), um casal de muitos cabelos brancos e admirável pela simplicidade com que encara a vida. Mas nem todo mundo é como eles. Dos muitos personagens que percorrem a trama deste filme a principal é Mary (Lesley Manville), colega de trabalho de Gerri que se ressente pela solidão. O filme apresenta ainda Ronnie (David Bradley), o silencioso irmão de Tom que entra num luto pela perda da mulher. E também há Joe (Oliver Maltman), o simpático, porém insosso, filho dos protagonistas.
Todos eles atravessam as quatro estações do ano, compartilhando problemas e encontrando soluções.
Alguns espectadores podem reclamar que nada acontece no filme, mas Mike Leigh tem uma capacidade ímpar de construir cenas que dizem muito sem que sejam necessários diálogos ou grandes acontecimentos. Não há clímax, não há reviravolta, não há truques. O diretor apenas expõe um recorte de um ano na vida de seus personagens, pessoas comuns como qualquer um de nós. E é isso, essa naturalidade da história, que faz de “Mais um ano” um filme fabuloso. Como também costuma ocorrer no cinema de Leigh, as boas atuações ajudam na proposta. Lesley Manville, sobretudo, desperta sentimentos variados do público com um mero olhar.

E você? Tem ido ao cinema ultimamente? Você viu “Mais um ano”?

Previous Post Next Post

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply JANUARIO CABRAL junho 15, 2015 at 8:49 pm

    Então, sou amante de bons filmes e, felizmente, não li a tal crítica que o teria desestimulado! Vou, com certeza, assistir ao filme encorajado pelos comentários do amigo Ademir que me parece sedutor e engajado unicamente com a qualidade da arte cinematográfica.

  • Leave a Reply